Ácido Úrico – Política é a arte da demagogia

Publicado por em 21/04/2021

São projetos populistas, a falta de uma comunicação eficiente, um executivo arrogante e uma câmara fraca, que fazem a política ser repudiada em nossa cidade.


Palavras sobre o vice-prefeito causou ciúmes

Recebi algumas mensagens no meu whatsapp depois das considerações que fiz sobre a atuação política do vice-prefeito Carlos Humberto. Algumas delas elogiando toda a análise envolvendo os assuntos abordados. Mas pasmem, teve gente com ciúmes do que falei do cara. Uma das coisas que mais prezo na vida é a sinceridade. Isso me ajudou muito mas também me prejudicou.

Falo o que penso sem problemas sobre o que vão achar. E quando minha sinceridade me prejudicou, agradeci a Deus por ter me livrado dos males. Gosto da pessoa e do político Carlos Humberto. Ele é diferenciado e não preciso fazer moral com ninguém. Uma das diferenças está no fato dele ter me enviado uma mensagem agradecendo as palavras. Enquanto ele me manda mensagem agradecendo, o outro me bloqueia pela mesma sinceridade que sempre tive.

Projetos politiqueiros destroem a imagem do legislativo

Além de politiqueiros, 90% dos projetos são somente para causar polêmicas. Eu como contribuinte não aguento com isso e como jornalista preciso mostrar isso para meus leitores. Lembra do projeto do Nilson Probst que proibia o consumo de bebida em espaços públicos? Ou aquele que multava quem usuários de bicicletas, skates, triciclos, patinetes motorizados e patins?

Para alguns até funciona. Causa debate nas redes sociais. Projetos meramente “caça likes” que alguns mais desinformados caem no papo e apoiam. São justamente esses casos que impulsionam as sandices dos vereadores da nossa cidade. Mais um exemplo está no projeto de Marcelo Achutti para reduzir em 50% o salário do prefeito, vice, vereadores e secretários. Jogar para a torcida, mais nada.

Vereador quer salário cortado mas gabinetes cheios

Enquanto o vereador Achutti quer diminuir o próprio salário e dos demais, apenas um assessor nomeado em seu gabinete ganha quase 8 mil reais por mês, mais do que os 50% do salário do edil. O custo com salários do seu gabinete hoje, sem encargos, está na casa dos 31 mil reais. Se olhar os gabinetes dos demais vereadores que votaram contra o parecer pela rejeição do projeto, a história se repete com 4 a 5 assessores nomeados usando toda verba de gabinete.

A demagogia da narrativa de economia do dinheiro público

Vamos falar de economia? Comecem com seus próprios gabinetes. Simples. O resto é demagogia. Politicagem é falar em diminuir salário e de cargos comissionados, quando não se está mais na situação e não tem nenhum dos seus nomeados. Falar em diminuir vereador depois que já está eleito é fácil. Omar Tomalih fez a mesma coisa as vésperas das eleições em 2020. Se tivesse aprovado, se duvidar nem ele entraria.

Falar de cargo comissionado da prefeitura enquanto tem os indicados na Câmara, é simplesmente politicagem. Não vou publicar nada sobre o assunto e vou até parar que já gastei linhas demais com isso. Mesmo porque maioria dos que atualmente falam em respeito com dinheiro público, apoiaram a construção de uma passarela de 34 milhões de reais, conhecida como o troféu do maior escândalo de corrupção da história da cidade.

A memória curta dos “defensores” do Funservir

Eu acho totalmente desnecessária essa isenção da prefeitura no repasse. Mas é engraçadinho ver os opositores bater na situação como defensores do Funservir. Em 2012, o ex-prefeito Edson Piriquito mudou a maneira que a prefeitura contribuía com o fundo, depois disso, tirou alguns milhões o plano para fechar as contas e nunca devolveu. Ai vem a galerinha agora falar em calote? Pela misericórdia.

Prova de Fogo no legislativo de Camboriú: Projeto das Contas de 2018 foi protocolado

Agora é a hora de ver a capacidade e o caráter dos vereadores de Camboriú. O projeto para aprovação, ou não, das contas de 2018 já foi protocolado na Câmara. O TCE já deu seu parecer pela rejeição, por inúmeros motivos já divulgados pela imprensa. Mesmo depois de dois recursos, o Tribunal de Contas do Estado manteve o parecer pela rejeição. Será que os vereadores vão proteger o prefeito e ter sua ilegibilidade confirmada ou vão acompanhar o TCE e seus técnicos?

Agora é a prova de fogo. Atenção eleitor, fiquem de olho e cobrem seu vereador(a) para que não faça politicagem e trabalhem pelo certo.

Água no Chopp e o fogo no parquinho no PDT de Camboriú

Em entrevista a um jornal local, o presidente do PDT de Camboriú, Valmor Dalago, declarou que o pré-candidato a prefeito pela sigla na cidade é o presidente da Câmara, Fabiano Olegário. A declaração põe água no chopp do primo Juliano Dalago, que pretendia concorrer a prefeitura camboriuense com o apoio com o irmão Paulinho Dalago e da Paulinha. A fala, que citou a possível saída de Paulinha para o MDB, também coloca fogo no parquinho no PDT de Camboriú que é aliado ao governo Élcio.

Vão romper ou roer a corda? O doutor deve estar coçando a cabeça essa hora. Tadinho.


Opnião dos Leitores

Deixe uma Resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



Faixa Atual

Título

Artista